Somos uma equipa de trabalho do Agrupamento de Escolas de Castelo de Paiva formada para desenvolver um processo de Autoavaliação do Agrupamento, tendo como fim último a melhoria da atuação e dos quotidianos da nossa comunidade educativa.

.posts recentes

. Informação EAA 2013/2014

. Apresentação do Relatório...

. Plano de Melhoria - Fiche...

. Plano de Melhoria

. Círculo de Estudos - 1ª s...

. Círculo de Estudos

. Relatório da Avaliação Ex...

. Levantamento de dados

. 1º Ciclo de Seminários de...

. Apresentação oficial da E...

.arquivos

. Março 2014

. Março 2012

. Dezembro 2011

. Maio 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

Sexta-feira, 6 de Maio de 2011

Círculo de Estudos - 1ª sessão

      No âmbito do primeiro tema abordado no Círculo de Estudo - Conceitos, tipologias e finalidades da avaliação e da auto-avaliação, deixamos dois textos fornecidos pelo nosso formardor, Doutor João Veiga, para reflexão...

 

 

 

PARA QUÊ FAZER A AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL?

 

 

A única forma que têm as instituições [educativas] de melhorar o que fazem é submeterem-se a uma rigorosa análise da sua estrutura e do seu funcionamento.

Se justificarmos tudo a partir da óptica da boa intenção (faz-se o que se pode), da rotina (sempre se fez assim) ou da má actuação alheia (a culpa é dos outros), a instituição continuará agarrada aos seus erros.

Como mudar se não nos questionamos?

Como melhorar se não pomos em causa as nossas práticas?

Como vamos transformar a realidade se não escutamos as opiniões dos destinatários das nossas actividades, se não comprovamos o que acontece com a sua aprendizagem?

Parece que o importante é que nós ensinemos [os alunos], não que eles aprendam.

As instituições precisam de analisar as suas práticas, rever a sua estrutura e avaliar o seu funcionamento. Há coisas que podem estar mal. Mas não se pode atribuir todo o insucesso a causas alheias à instituição. Haverá noutros actores uma parte da responsabilidade, mas uma boa parte dela será da instituição.

A primeira exigência para se poderem corrigir as deficiências é conhecê-las, analisá-las e compreendê-las.

A segunda é não nos conformarmos com elas.

E a terceira é tratar de corrigi-las com rapidez e rigor.

 

Excerto do artigo de M.A. Santos-Guerra, Balones fuera, publicado no El Opinión de Málaga, em 19/06/2010 (tradução livre)

 

 

 

 

10 Teses para sustentar a auto-avaliação das escolas

 

1. Os professores desempenham um papel central na construção da autonomia e dos procedimentos de avaliação da escola.


2. A auto-avaliação requer a capacitação dos intervenientes (desejavelmente desenvolvida através de dispositivos de formação na acção).

 

3. A produção de sentido da auto-avaliação requer a sua internalização, isto é, implica a adequação aos contextos, à realidade e às pessoas. Caso contrário, pode ser entendida como uma “inspecção” dentro da escola.

 

4. A internalização não se deve concentrar na equipa de auto-avaliação, pois requer o envolvimento, a participação e o compromisso de todos os actores comunitários.

 

5. O processo de auto-avaliação é uma produção colectiva de sentido e, por isso é, em geral, lento, metódico e consistente.

 

6. A auto-avaliação obriga a possuir um quadro conceptual de referência que explicite princípios, fins e critérios, métodos e técnicas, e oriente a acção.

 

7. Fazer uma auto-avaliação com sentido é circunscrever o objecto, diversificar métodos e técnicas e implicar os actores.


8. Auto-avaliar com sentido é não perder de vista as finalidades, saber que o essencial não é medir, mas compreender e agir para melhorar.

 

9. Auto-avaliar com sentido é evitar uma série de armadilhas: a do objectivismo, a do autoritarismo, a do tecnicismo e a da embriaguez interpretativa.

 

10. A auto-avaliação pode contribuir para a autonomização responsável, para o reacender do querer individual e colectivo, para a capacitação das pessoas e das organizações.

 

A concluir:

A auto-avaliação pode ser um mero ritual de legitimação do instituído se não cuidar da distância crítica, se não gerar a participação alargada, se não pluralizar os métodos.

 

Texto fornecido pelo Doutor João Veiga, formador deste CE e docente da UCP

publicado por eaa-avecp às 20:22
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds